Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

A verdade sobre o cachorro Caramelo

No festival de matérias sensacionalistas que descrevem diariamente a tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro, uma se destaca pela absoluta falta de profissionalismo: um repórter ainda não identificado inventou a história de um cachorro que não saía de cima da cova da falecida dona, vítima de soterramento.

O picareta travestido de jornalista tirou até uma foto do animal ao lado do túmulo para ilustrar o suposto furo de reportagem. E o pior é que quase todos os órgãos de imprensa caíram no conto do vigário, ou melhor, do repórter oportunista que, infelizmente, representa muito bem uma grande parte do jornalismo brasileiro.


Abaixo, uma matéria do site Comunique-se denuncia a farsa:

A imprensa brasileira conseguiu comover a muitos com a história do cão Caramelo, que supostamente guardava o túmulo da dona após ela ter sido soterrada pelos deslizamentos de terra que atingiram a região Serrana do Rio de Janeiro na última semana.

A história foi noticiada pelo G1, UOL, Folha.com, R7, Extra e virou até charge de Chico Caruso no jornal O Globo, entre outros. No entanto, segundo o Diário de Teresópolis, a história, repercutida até pela imprensa portuguesa, não passou de uma grande confusão.

De acordo com a reportagem, Caramelo realmente existe e perdeu seus donos na tragédia, mas não era ele que aparecia ao lado de um túmulo e sim, John, o cachorro de Rodolfo Júnior, voluntário que trabalha no cemitério Carlinda Berlim.

"Isso é coisa de repórter que precisava chegar com uma história diferente para apresentar ao chefe... o John é meu há mais de um ano quando fiquei com ele pra mim! O antigo dono foi para o Rio e deixou ele por aí... ele chamava o cachorrinho de Leão, mas eu prefiro John... ele tem cara de John", afirmou Junior ao Diário de Teresópolis, que enfatizou que seu cachorro é dócil e o segue por todos os lugares, por isso estava ao seu lado, enquanto trabalhava. "No dia em que o rapaz tirou a foto dele eu estava trabalhando nas covas e ele ao meu lado como sempre... e aí depois veio essa maluquice toda".

Não se sabe se a confusão começou após as fotos de John terem sido divulgadas pela agência AFP como as de Caramelo, ou se pela semelhança dos dois cachorros. Mas o caso irritou o administrador do cemitério, Márcio de Souza. "É lamentável que tal fato seja utilizado para causar comoção aos leitores! Fui contatado horas antes da notícia ser levada ao ar por um repórter e fui claro ao dizer que o cão da foto ao lado do túmulo é de propriedade de um de nossos voluntários que no momento faziam sepultamentos naquele local, logo não tem nada a ver com o cão adotado", disse.

As notícias sobre o cão "fiel" não paravam por aí. Esta semana vários portais divulgaram que o cachorro, que supostamente guardava o túmulo da dona, foi adotado por uma família da capital carioca, mas depois fugiu. Caramelo foi adotado e desapareceu, mas não era ele que aparecia na foto ao lado do túmulo. "Houve uma confusão que não se sabe onde começou", afirma Anderson Duarte, autor da reportagem do Diário de Teresópolis.


Vídeo da Diário TV, de Teresópolis

Matéria editada e publicada no Resende Afora.

Share

0 Comments:

Postar um comentário

<< Home