Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Da nova série 'Obras urbanas'

Avenida Francisco Fortes Filho - Acesso Oeste


Foto feita no dia 16/02/2012


Foto feita no dia 13/05/2009

Iniciadas em setembro de 2010, as obras de asfaltamento (e infraestrutura) da avenida Francisco Fortes Filho - que tem três quilômetros de extensão e liga a ponte do Acesso Oeste à Estrada Resende-Riachuelo - estão quase concluídas.

A previsão inicial da prefeitura para o término dos trabalhos era até o final de junho de 2011, mas, segundo a Secretaria Municipal de Obras, um volume anormal de chuvas atrasou o cronograma.

Para saber tudo sobre essa obra, entre aqui, aqui e aqui.

Publicado no Resende Afora.

Marcadores:

Share

10 Comments:

At 23/2/12 16:29, Anonymous Aurélio said...

A obra ficou com boa qualidade, no entanto, observando o largo canteiro/calçada entre a pista principal/central e as marginais, penso que a pista principal deveria ser um pouco mais larga para conter quatro faixas de rolamento. Penso também, que por ser uma pista expressa, dotada de ruas marginais locais, não precisaria dos famigerados quebra-molas, ou menos. Em Resende não existe local para se passar uma terceira marcha, quarta nem pensar. Macaé, SJC, Zona Sul do Rio, etc, não tem quebra-molas. Por fim, penso que deveria ser feito uma passagem sob a ponte (idem ponte Miguel Couto) para eliminar o cruzamento/rotatória, para a entrada da Votorantim.

 
At 23/2/12 17:16, Anonymous Anônimo said...

Realmente ficou uma bela obra. Resende esta decolando em desenvolvimento. Acho que o prefeito Rechuan deu uma bela resposta aqueles que dele desconfiavam, me incluo nesse grupo. Achei que seria o maior fiasco o governo dele, mas reconheço que quebrei a cara. Parabéns e que em seu segundo mandato seja igual ou até mais competente do que foi neste. De você não desconfio mais sr. prefeito. Continue assim
Abraços

 
At 23/2/12 17:23, Anonymous Anônimo said...

Aurélio,
O mais importante do que fazer largas pistas, e deixar preservado espaço para ampliações. Neste caso, o movimento pelo local ainda não é e não será, a curto prazo, tão intenso a ponto de necessitar de 4 pistas, mas a medida em que a demanda for aumentando, as pistas serão ampliadas, isto foi o que pude perceber na referida obra.

 
At 24/2/12 05:41, Anonymous Weber said...

Legal essa comparação que fez do antes com o depois, Otacílio.
Sem dúvida melhorou 100%. Os motoristas, agora, têm uma bela opção, além de os moradores do entorno ganharem bastante em qualidade de vida. Ninguém merece ter que conviver com poeira ou lama o dia inteiro.

 
At 24/2/12 17:24, Anonymous Aurélio said...

Anônimo, concordo parcialmente com você, o importante é ter espaço para ampliação, mas como nesse caso o horizonte para ampliação é pequeno, já deveria ter sido feito, para depois não ter que remanejar postes, meio-fio e bueiros, talvez árvores, para ganhar apenas dois metros, além de proporcionar o conforto de não ficarmos andando em filas indianas, atrás de lentos caminhões poeirentos, fuscas velhos, com quebra-molas, pedestres e ciclistas, que vendo a situação lenta, julgam segura e se enfiam na frente em qualquer lugar convictos que há tempo de sobra para frenagem. Assim é a Resende provinciana. Queria que nossos governantes conhecessem SJC.

 
At 24/2/12 23:20, Anonymous Anônimo said...

Aurélio, concordo com vc em partes tb. 4 faixas com certeza seria um exagero frente a demanda. com certeza aquele local seria muito procurado por praticantes de rachas, devido local ser ainda um pouco isolado e por em grande parte de sua extensão ser inabitada, apesar da proximidade com a grande alegria. Se vc já esteve no local vai notar que, praticamente de asfalto, já existem quase 4 faixas e uma nova ampliação ocorreria em sua grande parte somente com a retirada de uma pequena faixa dos canteiros. Mas tudo bem, penso que um pouco de cautela pode evitar tragédias.
Abraços

 
At 25/2/12 00:54, Anonymous Anônimo said...

Auérlio, concordo contigo. Chega de pensarmos pequeno. SJC; Campinas etc Essas sim são exemplos a seguir!

 
At 25/2/12 13:16, Anonymous Aurélio said...

Anônimo, quem tem que coibir rachas e exagerados é a polícia, e não a prefeitura, fazendo ruas estreitas com excesso de quebra-molas totalmente fora do padrão legal e em quantidade e locais injustificáveis, basta colocar a placa com o limite, e já fez sua parte. Para que quebra-mola na faixa? Para passar devagar? Faixa, se tem pedestre para-se o carro, se não tem passa-se rápido, principalmente nas madrugadas.

Concordo com vc, uma pequena faixa de ampliação atende, mas por puro provincianismo não foi feito já, faltou engenheiro. O crescimento de Resende está rápido em breve vai ter que gastar para remover meio-fio, bureiro, poste, etc. Quando lotearam a região do Manejo e abriram a Av. Coronel Mendes, ingênuos e acostumados com as vielas do centro histórico, pensaram que seria suficiente e hoje não atende nem 50%, visto que a volta é por outra rua. Dizem e acredito que Resende será uma nova SJC, mas para isso precisamos de seu modal, olhe SJC no Google Earth. Como disse o sábio Anônimo temos que pensar grande, e não somente na demanda atual. Obrigado por concordar, sempre encontro adeptos por aqui. Obrigado a vc também pelo debate e ao nobre Oro criador desse magnífico canal.

 
At 25/2/12 22:09, Blogger Otacílio Rodrigues said...

Grande Aurélio, muitíssimo obrigado pelo nobre elogio!

Também agradeço os comentários brilhantes e esclarecedores (seus e dos demais comentaristas), que sempre agregam valor às minhas despretensiosas matérias.

Sejam sempre muito bem-vindos ao RA!

 
At 26/2/12 21:56, Anonymous Anônimo said...

É isso aí. Tem que mudar o paradigma. Pensar diferente. Não é a via que tem de limitar velocidade com esses quebra-molas, buracos, estreitamento, curvas perigosas, uma faixa só etc. que são as ideias de quem não tem carro.
Via foi feita pra todos, inclusive pra quem tem carro. A engenharia tem de fazer via segura e com fluidez (ciclovia, recuo para ônibus, faixas diversas, bom traçado, águas pluviais, passarelas, sinalização, dentre outros; a educação faz o pedestre e autos andarem na passarela e nas faixas próprias; a fiscalização obriga quem não respeita as regras a cumpri-las, seja pela presença do agente de trânsito a orientar ou multar. Infelizmente no Brasil a regra é a meia-boca: via mal construída, mal sinalizada, ausência de policiamento de trânsito, falta de punição para assassinos do trânsito e pedestres/ ciclistas abusados e tome-lhe quebra-molas e pardais de velocidades absurdas como 40 por hora na serra! Os caminhões andam a mil entre um pardal e outro sem que apareça a PRF para coibi-los. Adianta alguma coisa? Não, é claro, toda hora um deles tomba matando alguém.

 

Postar um comentário

<< Home