Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

domingo, 12 de março de 2006

Dois pés-de-chinelo!

A primeira corrida da temporada 2006 de Fórmula 1 revelou uma nova estrela e mais um pé-de-chinelo brasileiro. A nova estrela atende pelo nome de Nico Rosberg, filho de Keke Rosberg (contemporâneo de Nélson Piquet na F1 do início dos anos 1980), que estreou em grande estilo: largou em 12º lugar e chegou em sétimo, depois de fazer belas ultrapassagens e as voltas mais rápidas da corrida. Já o nosso novo pé-de-chinelo é o Felipe Massa, que largou em 2º lugar e terminou em nono, depois de ter feito uma largada mais preocupado em proteger o chefão Schumacher das investidas do Alonso do que em se dar bem na corrida (tal e qual fazia Barrichello) e de rodar vergonhosamente atrás do campeão espanhol no início da décima volta.

O grande (!!) Rubinho protagonizou o outro vexame brasileiro no Bahrein. Depois de ter sido mais lento do que o companheiro Button no treino oficial e de ter levado a pior numa dura briga por posições durante a corrida, nosso primeiro pé-de-chinelo recebeu a bandeirada em 15º lugar (largou em 6º), 11 posições atrás de Button, que terminou em 4º lugar. É bem verdade que Massa e Rubinho tiveram problemas - Felipe na troca de pneus antecipada pela rodada e Barrichello com a perda da terceira marcha já na última parte da corrida. Mas isso não impediria que ambos chegassem atrás de seus companheiros de equipe em condições normais.

Os únicos consolos foram o show (mais um!) do Kimi Raikkonen (que largou em último e chegou em terceiro lugar) e a incontestável vitória de Fernando Alonso, que largou em 4º lugar, ficou em segundo a maior parte da corrida e, no último pit stop, superou Shumacher no truque preferido do alemão, a ultrapassagem no box (truque, aliás, inventado por Flávio Briattore - atual dirigente da Renault - quando ambos estavam na Benetton). Já o consolo do Schumacher foi ter igualado - depois de 15 anos!!! - o último recorde de Senna que ainda não havia sido batido, o de 65 pole-positions. Detalhe: Ayrton precisou de apenas 10 anos para chegar a esse número.

Share

0 Comments:

Postar um comentário

<< Home