Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

O "bispo verde" desafia Lula com sua greve de fome


Folha Imagem

Do El País

Quase um mês de greve de fome contra um projeto do governo brasileiro de desvio da calha de um rio. E não foi a primeira vez. Luiz Flavio Cappio, 61 anos, bispo da Barra, uma localidade da Bahia, desafiou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao protagonizar uma greve de fome de 24 dias até que perdeu a consciência e desmaiou. Cappio, um religioso franciscano, nomeado bispo pelo papa João Paulo 2º, se opõe ao desvio das águas do lendário rio São Francisco, que em seus 2.800 km percorre quatro Estados.

O projeto de levar água ao nordeste pobre e semiárido é uma possibilidade tratada desde os tempos do império, mas que ninguém se atreveu em levá-lo adiante, temendo um desastre ecológico, a morte do rio e os problemas que sofreriam as 12 milhões de pessoas que vivem às margens do rio. Lula, desafiando todas as dificuldades, decidiu tocar as obras, apesar dos 14 recursos no Supremo Tribunal.

Contra o projeto, sobre o qual tem corrido rios de tinta de artigos de especialistas a favor e contra, se levantou o bispo Cappio, considerado um Dom Quixote da ecologia. Em 2005 ele fez uma greve de fome de 11 dias, interrompido após a promessa de Lula, que recebeu o bispo pessoalmente, de promover um debate nacional antes de começar as obras. O bispo acreditou, interrompeu a greve e Lula não cumpriu a palavra. E começaram as obras.

O bispo, que é também economista, retornou à greve, que desta vez se prolongou por 24 dias. De novo Lula, que não queria um mártir sobre seus ombros, voltou a prometer dois meses de interrupção das obras para discutir melhor o projeto. Outra vez o presidente brasileiro não cumpriu sua promessa e o bispo, depois de perder a consciência e ser internado, interrompeu a greve aconselhado por seus familiares e amigos.

Cappio seguirá liderando um movimento, que já é nacional, contra o que ele chama de "projeto da morte" do rio. Em uma carta que se tornou pública, o bisco cita o profeta Isaías quando disse que Deus "fortalece as mãos enfraquecidas e os joelhos debilitados" e que "a vingança é a recompensa de Deus" que "abrirá os olhos dos cegos e destampará os ouvidos dos surdos". E conclui afirmando que "quando falha a razão não resta mais que a loucura da fé".

Para ele falha a razão quando se quer confundir a população com obras faraônicas de 6 bilhões de euros que, na sua opinião, favoreceriam só os grandes empresários agrícolas.

Cappio não é um ingênuo e nem um fundamentalista. Todos o consideram um homem de fé que tem 40 anos dedicados aos mais pobres e a estudar o rio São Francisco, símbolo para ele da vida que oferece água aos camponeses ribeirinhos, e cujos 2.800km percorreu durante um ano junto com um sociólogo e um agricultor para, em seguida, escrever um livro.

O bispo ecologista, já recuperado, retornou à sua diocese. Não para descansar. Defensor das causas desesperadas, seguirá dando dor de cabeça ao poder.

Publicado no UOL Mídia Global.

Share

0 Comments:

Postar um comentário

<< Home