Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

domingo, 30 de maio de 2010

Quando Dennis Hopper veio a São Paulo

Leon Cakoff, no UOL Cinema

Hopper é um gigante e fincará sua estátua no nosso imaginário de heróis transgressores e videntes. Ele deu sentido ao desejo reprimido a gerações de jovens que queriam mostrar suas caras 'on the road', desafiando paisagens e personagens diferentes de suas realidades adormecidas.

Bom, com a Mostra Internacional de Cinema, Dennis Hopper foi de uma humanidade e de uma solidariedade inesquecíveis. Estávamos na 8ª Mostra, em 1984, a primeira independente, fora das amarras e do manto protetor do Masp, com uma produção cheia de dificuldades. Tinha visto e adorado seus filmes "The Last Movie" e "Out of the Blue" seguidos a "Easy Rider" ("Sem Destino").

Convidei-o para vir a São Paulo temendo nem mesmo poder pagar a sua passagem na classe econômica. Mesmo assim lancei o convite atrevido. Surpreendentemente, Dennis Hopper aceitou o convite, veio em econômica de Los Angeles a São Paulo e ainda trouxe na bagagem seus três filmes para exibir na Mostra.

Mais surpreendente ainda é que ele fixava seus olhos marejados nos meus olhos ao longo da Mostra e repetia que eu tinha salvado a sua vida. Sem saber, tinha sido a Mostra o primeiro festival a convidá-lo depois de um longo inferno astral que havia enfrentado com drogas pesadas, álcool, antidepressivos e tratamentos de choque em clínicas horrorosas, me dizia.

Voltamos a nos encontrar, por acaso, nas escadarias do Festival de Cannes de 1991, na exibição especial de "Truth or Dare" (aqui, "Na Cama com Madonna"), de Alex Keshishian. Dennis Hopper continuou se mostrando agradecido e feliz, exagerando imagino, mas carinhoso, dizendo que eu havia mudado a sua vida. Sapecou-me um inesperado beijo na boca para o espanto dos fotógrafos surpreendidos que gritavam para ele repetir o beijo. E repetiu.

Tinha o seu telefone pessoal e chegara a telefonar-lhe muitas vezes para convidá-lo a voltar à Mostra. "Não posso, não posso, não paro de trabalhar, me dizia se desculpando". E rindo, emendava: "a culpa é sua".


* Leon Cakoff é diretor da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

Share

0 Comments:

Postar um comentário

<< Home