Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

terça-feira, 16 de agosto de 2005

Embaixadora compara moçambicanos a seu cachorro

Do blog do Ruy Nogueira

A embaixadora do Brasil em Moçambique, Leda Lúcia Martins Camargo, insultou dois seguranças de um dos maiores complexos comerciais da capital moçambicana, o Shoprite, depois que eles a impediram de entrar no estabelecimento com seu cachorro, relata o semanário Zambeze em sua última edição. A embaixadora comparou os moçambicanos ao seu cão e os chamou de porcos, segundo informam jornais do país.

De acordo com os trabalhadores do complexo que funciona no coração de Maputo, ao ser impedida de entrar no Shoprite, a embaixadora do Brasil disse que seu cachorro "era mais limpo que Maputo (capital do país) e que seu animal de estimação era mais limpo que os moçambicanos". "Não há razões que me impeçam de entrar no centro comercial porque meu cachorro é limpo", diz o jornal citando a embaixadora.

O jornal Zambeze ouviu Leda Lúcia com relação ao assunto, e ela confirmou ter participado deste "incidente". Segundo consta, é proibida a entrada de animais no centro comercial em que o episódio ocorreu. "Chegamos perto da embaixadora, e ela disse que o cão era mais limpo que a cidade de Maputo e que os próprios moçambicanos", afirmou um funcionário do local ao jornal.

O diário levanta outros problemas de relacionamento entre a diplomata e os trabalhadores da missão diplomática brasileira em Maputo. Os funcionários da missão diplomática fizeram um abaixo-assinado na própria embaixada e o levaram ao Ministério dos Negócios Estrangeiros e de Cooperação e ao Ministério do Trabalho, em que fazem denúncias de supostas arbitrariedades cometidas pela diplomata. No abaixo-assinado, os trabalhadores pedem para ser "respeitados e tratados como seres humanos". "Pedimos para ser tratados com cordialidade", escrevem em carta dirigida a essas instituições.

Os funcionários da missão diplomática dizem que esta embaixadora "é a pior que passou por aqui". "Passaram bons embaixadores por aqui e nunca houve problemas. Hoje somos maltratados e obrigados a conviver com os animais da senhora embaixadora", relatam.

Quando contatada pelos jornais locais, a embaixadora disse: "agi porque não admito ser ferida por pessoas inferiores". "Confirmo o incidente com os dois trabalhadores daquele centro que queriam chutar meu cachorro", disse a diplomata brasileira. "Sei que em Moçambique e no Brasil não se aceita a circulação de animais em restaurantes, mas este chiuaua era da minha falecida mãe e hoje dorme comigo no meu travesseiro", afirmou a diplomata. A diplomata acusa os trabalhadores de tentarem "estragar as relações diplomáticas entre Moçambique e Brasil".

Publicado no Blog do Noblat (link nos Favoritos do RA).

Share

2 Comments:

At 17/8/05 08:37, Anonymous acacio alves pinto said...

Oi, Cilim,
É um absurdo um governo (?...) como o nosso nomear para um cargo tão importante e melindroso uma destemperada e ditatorial como se mostra essa "embaixadora" em Maputo. Ao invés de prestar um bom serviço à sua Pátria, essa alienada, com sua atitude, está apenas sugerindo que nós Brasileiros não temos educação. Por isso e outras "cositas mas" é que o Brasil está atolado nessa lama de corrupção e desgoverno.
Valham-nos Deus e Nossa Senhora, como diz o velho chavão dos desesperançados.
Abraços,
Acácio.

 
At 17/8/05 21:26, Anonymous cilim said...

É, grande magistrado Acácio, certo estava Vladimir Jankélévitch, grande filósofo francês (apesar do nome), que escreveu os três volumes de "O eu não-sei-quê e o quase-nada": a boçalidade humana desconhece limites.
Abraços e abraços.

 

Postar um comentário

<< Home