Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

sábado, 1 de novembro de 2008

Uma derrota triunfal

Crônica de Nelson Motta (via e-mail)

Um dos aspectos mais detestáveis do "american way of life" é o culto incondicional aos que se dão bem na vida, aos aparentemente vencedores: o fundamentalismo de resultados. Ainda mais execrável é o seu complemento, o desprezo absoluto pelos perdedores, pelos fracos, pobres e pequenos, pelos "losers" que não conseguem dinheiro, poder ou felicidade. Ou tudo isso junto, e também beleza, que se tornou um bem de consumo.

Porque vencer a qualquer preço não é um valor civilizatório nem moralmente aceitável. É o equivalente capitalista dos comunistas justificando os meios pelos fins. Por isso, numa sociedade ultra-competitiva, mas legalista, democrática e republicana, os que usam atalhos ilegais para "chegar lá" estão em minoria e, se flagrados, são punidos.

Por outro lado, nem todos os "losers" são vítimas de sua própria fraqueza, ignorância ou preguiça. Muitos que são vistos como perdedores são apenas independentes, artistas, intelectuais, até políticos, que fazem o que querem, ou acham que devem, e pagam o preço, em dinheiro e tempo perdidos.

No Brasil, a tradição é desprezar os bem sucedidos. Aqui, o sucesso é ofensa pessoal, dizia Tom Jobim, vítima constante da inveja e do ressentimento provincianos. Aqui, há um vezo por cultuar perdedores, culpando a sociedade, "todos nós", por escolhas e fracassos individuais. Aqui é sempre diferente, mas desta vez foi mais diferente ainda.

O momento definidor da duríssima disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro foi quando o candidato Fernando Gabeira disse para seu adversário, um político profissional idôneo, competente e ambicioso: "A diferença entre nós é que você faria qualquer coisa para ganhar a eleição. Eu não". Eduardo Paes não pôde responder.

Neste momento, senti que Gabeira perderia a eleição. Mas faria história, com uma nova forma, limpa e positiva, sincera e criativa, de fazer política no Rio de Janeiro. Assim como a derrota de Marta Suplicy em São Paulo foi humilhante, a quase-vitória de Gabeira no Rio foi triunfal, um grande avanço e um justo orgulho para metade dos cariocas, uma esperança para todo o Brasil.

Share

1 Comments:

At 2/11/08 13:55, Anonymous Anônimo said...

Olá, Otacílio.
Pela observação do Gabeira, notei porque você é fã dele: "A diferença entre nós é que você faria qualquer coisa para ganhar a eleição. Eu não". Eduardo Paes não pôde responder." Prá falar a verdade, fique fã dele também. Para todos os efeitos, como diz a postagem, moralmente, o Gabeira venceu. Deus salve o rei!
Abração pra todos.
Acácio.

 

Postar um comentário

<< Home