Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

O Gênesis segundo Crumb






Da Folha Online

Crumb descansou no quarto ano. Antes, criou Deus, o paraíso, Adão e Eva. E viu que Eva era boa. Ou melhor, avantajada. Após extensa pesquisa, o cartunista americano Robert Crumb, de 66 anos, lança em outubro aquela que é considerada a principal publicação em HQ no ano. "Gênesis", versão ilustrada do primeiro livro da Bíblia, respeitou "palavra por palavra" do texto original.

O autor de "Fritz the Cat" e "Mr. Natural", símbolo da contracultura nos anos 60, conversou com a Folha por telefone na última sexta-feira, com a voz tranquila e a ironia que lhe são características. Falou sobre o novo trabalho e sobre não saber (quase) nada de francês após 18 anos vivendo na França - mora no sul do país com a mulher, a cartunista Aline Kominsky-Crumb -, deu opiniões como sempre ácidas sobre sua terra natal, defendeu teorias conspiratórias e comentou o uso de sua obra. Veja trechos a seguir.

Folha - Foi difícil definir como desenharia Deus?
Robert Crumb - Bem, tive esse sonho em que vi Deus, em 2000. Foi intenso e vívido, teve efeito profundo em mim. Mas não pude olhar por muito tempo. A forma como o desenhei lembra só vagamente como era no sonho. Também me baseei em imagens de Deus na cultura ocidental, o patriarca de barba branca e expressão severa.


Folha - O sr. iniciou o projeto em 2005. Por que demorou tanto?
Crumb - Foi o maior projeto que já fiz. Pesquisei muito, fui detalhista. Cada página me tomou dois ou três dias, e eram mais de 200 páginas. Mas fiz outros projetos nesses quatro anos, houve interrupções... Como as colaborações com a Aline para a revista "New Yorker".

Folha - O quanto conhecia do texto da Bíblia antes disso?
Crumb - Não sou estudioso da Bíblia, ainda não conheço bem o resto dela, mas de certo me tornei estudioso do Gênesis. Li de perto para ter certeza de que tinha feito os desenhos direito. Vi meu trabalho como o de um ilustrador, não o de alguém que estaria tirando sarro do texto. Queria, como dizer, revelar o texto tanto quanto possível.

Folha - Por que decidiu fazer isso?
Crumb - Estava com uma ideia de ilustrar o paraíso, e um agente sugeriu que, se eu fizesse todo o Gênesis, ele arrumaria uma editora que me daria muito dinheiro para isso. Falei: "Veja o que consegue". Depois de alguns dias, ele voltou e disse: "Consegui uma editora que vai pagar muita grana". E respondi: "OK, eu faço isso".

Folha - Como avalia a história?
Crumb - É uma história poderosa. A coisa toda, antes de ser escrita, foi mantida pela voz do homem. Algumas das histórias, com isso, perderam todo o sentido. Como a de Abraão, sendo um tipo de cafetão da própria mulher para o faraó do Egito. Isso é estranho. Minha conclusão é que eu não usaria o Gênesis como um guia moral (risos).

Folha - E o personagem Deus...
Crumb - É duro, severo, patriarcal e tribal. Cuida de sua tribo, os hebreus, que pressionam os outros. Diz: "Essa terra será sua, podem pegá-la". E eles a tiram das pessoas que já estavam lá, os cananeus. Isso é uma coisa tribal. Naqueles tempos, cada tribo tinha seu "deus mais alto". Quando conquista outra tribo, impõe ao outro povo esse "deus mais alto". Era comum.

Folha - Já faz quase 20 anos que o sr. mudou para a França, certo?
Crumb - Faz 18 anos.

Folha - Fala algo em francês?
Crumb - Não falo nada em francês. Minha mulher fala. Não vou a cafés, fico em casa. Quero dizer, posso ir ao mercado livre e perguntar se há discos antigos: "Est-ce que vous avez des disques 78 tours?". Isso eu posso fazer. Mas não conversar.

Folha - Como é seu dia a dia? Imagino que não leia jornais...
Crumb - Não. Ouço discos antigos e leio muitos livros. Virei um leitor voraz. Leio livros de jornalismo investigativo, que expõem meandros do sistema financeiro, da corrupção...

Folha - Faz oito anos que os EUA sofreram os ataques de 11 de Setembro. Acredita que o país mudou?
Crumb - É complicado. Foi a primeira vez que houve um ataque daquelas proporções nos EUA, supostamente de fora. Pessoalmente, acho que o governo americano estava envolvido. Muita coisa não foi contada. Aquilo não poderia ser feito sem a ajuda de alguém de dentro. Com todos os livros que li, sabendo o que sei sobre o mundo financeiro, militar... Não duvido de que tenham feito isso, ao custo de milhares de vidas.

Folha - Na internet há muita gente que pensa assim... E está mais otimista agora, com o Obama?
Crumb - Espero o melhor, que ele consiga realizar algo. Eu o acho um cara decente, que quer fazer a coisa certa. Mas, sabe, há políticos, organizações, que estão fazendo de tudo para matar o cara. Não literalmente, mas matar o que ele tenta fazer, para fazê-lo parar. Mas ele é um cara limpo, eles não conseguem achar nenhum escândalo sexual, financeiro, nada.

Folha - Após "Fritz the Cat", ainda tentam fazer filmes de suas HQs?
Crumb - Por anos, de tempos em tempos, alguém pedia para tornar meus cartuns em filmes. Cheguei até a autorizar, mas sempre deu em nada. Agora querem usar minhas coisas na internet, em iPhones, porcarias assim. Há uma pressão para pôr minhas coisas nesses negócios eletrônicos. Tenho me sentido obrigado a lidar com isso...

Folha - Significa que veremos algo do sr. em celulares em breve?
Crumb - Estou negociando. Pode ser que fale: "Danem-se, não quero". É tudo experimental. Ver HQ no celular? Sei lá...

Revista publica prévia de 'Gênesis'


Visto no Omelete

A Piauí publicou uma prévia em português de Gênesis, adaptação do primeiro livro bíblico pelo cultuado quadrinista underground Robert Crumb.

Lançado há pouco nos EUA, o álbum sairá no Brasil pela Conrad Editora. A data de lançamento ainda não foi divulgada.

A Piauí de outubro (edição 36) já está nas bancas e custa R$ 9,50.

Textos editados pelo RA.

Share

0 Comments:

Postar um comentário

<< Home