Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

sábado, 23 de julho de 2005

A chantagem

Sob o título acima, e assinada por Otávio Cabral, a Veja que começa a circular hoje publica como reportagem de capa a história da tentativa de chantagem feita pelo empresário Marcos Valério em cima do governo. Ele ameaçou contar tudo, tudinho.

"Na manhã do dia 9 de julho, um sábado, Marcos Valério, o publicitário-lobista-laranja do mensalão, estava uma pilha de nervos. Em Belo Horizonte, sentia-se pressionado por todos os lados e, desesperado, telefonou para o ex-presidente da Câmara, o petista João Paulo Cunha, que estava em Osasco. Falaram-se por celular. "Eu vou estourar tudo", ameaçou Valério, descontrolado.

Disse que não agüentava mais a situação e contou que faria a delação premiada – mecanismo pelo qual um réu diz o que sabe em troca de um alívio na pena. "Vocês vão se ferrar. Avisa ao barbudo que tenho bala contra ele", disse Valério, numa chantagista referência ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

João Paulo, que àquela altura se preparava para ir à reunião da cúpula do PT que acabaria chancelando o afastamento de José Genoíno da presidência do partido, entrou em estado de pânico. Até aquele sábado, Valério tinha garantias de que nem a quebra de seu sigilo no Banco Rural revelaria suas operações. Tudo o que viria a público seriam os altos saques feitos numa agência do Rural em Belo Horizonte, e não se ficaria sabendo que o dinheiro fora efetivamente entregue na agência do Rural em Brasília. A identidade dos verdadeiros favorecidos pelo dinheiro, portanto, ficaria eternamente sob o manto do anonimato.

Ele soube, no entanto, que tudo ia aparecer – e ficou desesperado com a idéia de que poderia ser preso. Na ligação para João Paulo, fez exigências abertas para poupar o governo. Queria duas coisas: a garantia de que não seria enjaulado e a chance de obter um dinheiro graúdo, e lícito, para assegurar seu futuro e o da família.

Uma maneira de ganhar esse dinheiro seria intermediando o fim da interminável liquidação do Banco Econômico, instituição que fechou as portas há dez anos. Como corretor da operação junto ao ainda dono do banco, o baiano Ângelo Calmon de Sá, Valério calcula que poderia amealhar uns 200 milhões de reais – soma equivalente à comissão de 20% sobre uma operação que, dependendo da forma como for encaminhada, poderá totalizar até 1 bilhão de reais.

Nesse ambiente em que se fala de milhões como se dinheiro caísse do céu, é bom parar e pensar no que significam 200 milhões de reais. Dariam, por exemplo, para comprar, via mensalão, o apoio de uma centena de deputados por quase seis anos.

Apavorado, o ex-presidente da Câmara avisou o ex-ministro José Dirceu e o ex-tesoureiro Delúbio Soares das ameaças de Valério, ainda na manhã de sábado. "O cara ficou louco, vai explodir tudo", disse. Em seu rol de chantagens, Valério ameaçou, inclusive, citar o nome de empresas que segundo ele teriam doado dinheiro não contabilizado, para ficarmos no jargão oficial, ao PT.

Como prova de sua disposição em contar tudo caso não fosse atendido em seus pleitos, Valério ainda disse que tinha munição contra dois ministros recém-empossados: Saraiva Felipe, da Saúde, e Hélio Costa, das Comunicações, ambos do PMDB mineiro. Segundo Valério, os dois teriam usado sua lavanderia de dinheiro em campanhas eleitorais. Consultados por VEJA, os dois ministros negam veementemente a irregularidade."

Publicado hoje no Blog do Noblat (link nos Favoritos do RA).

Share

1 Comments:

At 23/7/05 13:20, Anonymous acacio alves pinto said...

Oi, Cilim.
Com êsse "estouro" do M. Valério, parece-nos que nossa "democracia" vai à falência. Será que os políticos não desconfiam e, num gesto de patriotismo, honestidade e transparência, apuram tudo e dão satisfações aos eleitores (você ainda acredita em urna eletrônica (que não tem condições de recontar votos para serem conferidos?...) ao invés de, abusando dêsses que acreditam ter votado neles,não vão acabar transformando tudo em pizza? Penso que não. Devem estar muito comprometidos para fazer bem ao povo brasileiro. Como diz o "mestre" Lula (o que não sabia de nada): "A desgraça da mentira é que tem-se de continuar mentindo depois da primeira vez."
Abraços.
Acácio.

 

Postar um comentário

<< Home